Qual a melhor maneira de gerenciar as minhas finanças pessoais?

Na linha da reciclagem, este texto foi originalmente publicado no jornal Valor Econômico na coluna Consultório Financeiro em 21/02/2011:

Como posso fazer para controlar minhas próprias finanças? Devo montar uma planilha e anotar gasto por gasto ou posso usar números mais genéricos? Quais outras medidas podem me ajudar na organização financeira, após conhecer bem minhas próprias contas?

O primeiro passo para organizar as finanças pessoais é montar o fluxo de caixa em uma planilha, que é a identificação de suas receitas e despesas, trabalhando com a base mensal. Você pode sim usar grandes números, identificados através do seu extrato bancário. Vale ressaltar que a fatura de cartão de crédito é um meio de pagamento e que você deve considerar separadamente cada um dos gastos pagos com o cartão para compor o valor despendido em cada grupo de gastos (alimentação, vestuário, transporte, lazer etc).

Desta forma é possível identificar seus hábitos de consumo, se a sua receita cobre as suas despesas mensais, se há capacidade de poupança ou não e, neste caso, verificar onde é possível cortar gastos para gerar um superávit orçamentário que lhe permita equilibrar receitas e despesas e ainda gerar uma sobra para poupar para realizar seus sonhos de consumo no futuro e garantir a sua aposentadoria.

Após identificar as receitas e despesas, você deve montar um orçamento com a previsão de receitas e os gastos que pretende fazer nos próximos meses (normalmente fazemos a projeção para 1 ano), lembrando de incluir nesta planilha IPTU, IPVA, Seguro do Carro, outros seguros e mensalidades e todas as suas despesas fixas mensais (água, luz, telefone, aluguel, combustível, estacionamento etc). Assim também será possível prever se a receita será suficiente para cobrir os gastos fixos ou se será necessário cortar alguma coisa, identificando e escolhendo onde cortar os gastos. Lembre-se de que não se vive apenas com gastos fixos, preveja também valores para gastar com lazer, vestuário, férias, presentes, etc.

É importante sempre pensar em adequar seu estilo de vida à sua renda, para que você seja feliz com o que o seu dinheiro permite consumir. Quando você faz a planilha, consegue enxergar a fotografia de sua vida financeira e cria o hábito de controle. Este hábito lhe ajudará a ter disciplina, e com o tempo você fará melhores escolhas para o uso do seu dinheiro, deixará de realizar compras por impulso e passará a pensar melhor sobre cada gasto.

A preparação do orçamento é o momento de pensar nos seus sonhos e objetivos para o futuro, dando cara e finalidade para sua poupança. Isso ajuda a criar o hábito de poupar porque você visualiza um objetivo e torna a poupança um evento prazeroso, pois sabe que é a atitude que a ajudará a viabilizar seus sonhos.

A previsão de gastos futuros permite que você inclua seus sonhos no orçamento e faça com que eles caibam no seu bolso, tornando a probabilidade de realização deles maior, mais fácil e sem sustos. Depois disso, cada vez que você entrar em uma loja vai parar para pensar duas vezes se aquele produto realmente é importante para você ou se essa compra poderá de alguma forma impactar no valor que você se comprometeu a guardar para realizar a sonhada viagem de férias para o exterior, por exemplo.

Com relação ao dinheiro “de bolso” (saques em dinheiro), ele precisa ser controlado se representar um dispêndio muito alto no seu fluxo de caixa, caso contrário ele é a folga financeira que lhe permitirá usufruir de um cotidiano saudável e agradável, consumindo um cafezinho ou chopp com os amigos ou pagando o estacionamento no shopping ou restaurante.

11357925_945479868826557_162163316_n11376316_877781905604006_1588715395_n

Sobre Lavínia Martins, CFP®

Planejadora Financeira, autora e palestrante sobre Finanças Pessoais, possui a Certificação CFP® desde 2010, é ex-sócia da FinPlan Consultoria e Gestão Financeira, possui 12 anos de experiência no mercado financeiro, atuando com planejamento financeiro pessoal e gestão patrimonial, e 3 anos em finanças corporativas de multinacionais como Louis Dreyfus Commodities e Rohm and Haas Química (hoje parte do grupo Dow Química). Especialista em Gestão de Patrimônio Familiar pela Columbia University, com pós-graduação em Finanças pelo IBMEC-São Paulo/Insper e graduação em Administração de Empresas pela PUC-SP.
Galeria | Esse post foi publicado em 1. Planejamento Financeiro e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s